Igreja e Internet: um espaço existencial

Para cerca de 70 bispos do Brasil que se reuniram no Rio de Janeiro para um seminário de Comunicação, a semana passada ficou como um marco, um impulso a mais que a Igreja Católica dá no campo da Comunicação. Tratou-se do primeiro seminário de Comunicação  para bispos. Os debates giraram em torno de comunicação, evangelização e as novas tecnologias, colocando o conhecimento da comunicação como parte essencial para a realização de uma boa evangelização. Tratou-se de um “passo importante para valorizar ainda mais a comunicação na Igreja”, disse Dom Orani João Tempesta, Arcebispo do Rio de Janeiro. Os temas discutidos foram muitos, apresentados por especialistas da Itália, do México e do Brasil. Na ocasião, o presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, dom Claudio Maria Celli, insistiu na necessidade de se superar uma visão meramente instrumental dos meios de comunicação. Relembrou que a Igreja precisa vencer o desafio da linguagem e promover espaços de diálogo através de uma comunicação isenta de agressividade. Uma das conferências que mais chamou a atenção dos bispos foi sobre os aspectos teológicos da comunicação, feita pelo editor da revista “La Civittà Cattolica”, o italiano P. Antonio Spadaro, que defendeu a internet como um espaço existencial. “A internet não é um meio de evangelização, disse ele, mas um contexto, não um lugar específico no qual se entra em algum momento para viver on line e do qual se sai para entrar novamente na vida offline”. Outros temas debatidos foram teorias da comunicação, crimes na internet, pessoa digital, novas linguagens midiáticas, educomunicação, processos comunicativos na Igreja, desafios da comunicação

institucional, Igreja e opinião pública na situação de conflito e desafios da Pastoral da Comunicação.

 

Um pedido: que as TVs católicas criem um programa em rede

No Seminário de Comunicação,no Rio de Janeiro, foi apresentado um pedido, muito bem visto pelos bispos participantes do encontro:

que as televisões católicas brasileiras façam um programa em rede no qual sejam abordados temas de atualidade que questionem a sociedade. Considerado um encontro de grandes esperanças, os participantes têm consciência de que deram um passo muito importante que ajudará a Igreja Católica a fazer-se presente e a melhor utilizar as novas tecnologias dos meios de comunicação.

Sobre o tema, frisou o presidente da CNBB e Arcebispo de Aparecida, o Cardeal Raymundo Damasceno: “Já avançamos muito e precisamos continuar caminhando, progredindo dentro dessa mentalidade de comunhão e parceria, pois o nosso objetivo é o mesmo: anunciar o Evangelho. Temos diversos carismas e maneiras de transmitir a mensagem cristã, mas a mesma mensagem que nos une”.

O presidente da Comissão para a Comunicação da CNBB, Dom Dimas Lara Barbosa, também acredita que a transmissão em rede do posicionamento oficial da Igreja será uma referência para a população. O presidente do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais, Dom Claudio Celli, também chamara a atenção para a necessidade dessa comunhão eclesial.

Pe Geraldo Rodrigues

Boletim "Vivências" 386